Segunda Guerra Mundial

Segunda Guerra Mundial: Acordo de Munique

O Acordo de Munique foi uma estratégia surpreendentemente bem-sucedida para Adolf Hitler nos meses que antecederam a Segunda Guerra Mundial.

O acordo foi assinado em 30 de setembro de 1938, e nele, os poderes da Europa concordaram de bom grado com as exigências da Alemanha nazista de que a região dos Sudetos, na Tchecoslováquia, mantivesse a “paz em nosso tempo”.

Os Sudeteneses Cobiçados

Tendo ocupado a Áustria a partir de março de 1938, Adolf Hitler voltou sua atenção para a região etnicamente alemã dos Sudetos da Tchecoslováquia.

Desde a sua formação no final da Primeira Guerra Mundial A Checoslováquia tinha sido cautelosa com possíveis avanços alemães. Isto foi em grande parte devido à agitação na região dos Sudetos, que foi fomentada pelo Sudeten German Party (SdP).

Formado em 1931 e liderado por Konrad Henlein, o SdP foi o sucessor espiritual de vários partidos que trabalharam para minar a legitimidade do estado checoslovaco na década de 1920 e início dos anos 1930.

Após a sua criação, o SdP trabalhou para colocar a região sob controle alemão e, em um ponto, tornou-se o segundo maior partido político do país.

Isto foi conseguido quando os votos dos Sudetos alemães se concentraram no partido, enquanto os votos checos e eslovacos se espalharam por uma constelação de partidos políticos.

O governo da Checoslováquia se opôs fortemente à perda dos Sudetos, pois a região continha uma vasta gama de recursos naturais, bem como uma quantidade significativa da indústria pesada e dos bancos do país.

Além disso, como a Checoslováquia era um país poliglota, havia preocupações sobre outras minorias que buscavam a independência. Há muito preocupados com as intenções alemãs, os tchecoslovacos iniciaram a construção de uma grande série de fortificações na região a partir de 1935.

No ano seguinte, depois de uma conferência com os franceses, o escopo das defesas aumentou e o design começou a espelhar o usado no Linha Maginot ao longo da fronteira franco-alemã.

Para garantir ainda mais sua posição, os tchecos também puderam entrar em alianças militares com a França e a União Soviética.

Tensões Ascensão

Tendo avançado para uma política expansionista no final de 1937, Hitler começou a avaliar a situação no sul e ordenou a seus generais que começassem a fazer planos para uma invasão dos Sudetos.

Além disso, ele instruiu Konrad Henlein para causar problemas. A esperança de Hitler era que os partidários de Henlein fomentassem tumulto suficiente para mostrar que os checoslovacos não podiam controlar a região e fornecer uma desculpa para o exército alemão atravessar a fronteira.

Politicamente, os partidários de Henlein pediram que os alemães dos Sudetos fossem reconhecidos como um grupo étnico autônomo, com autogoverno e permissão para se juntarem à Alemanha nazista, se assim o desejassem.

Em resposta às ações do partido de Henlein, o governo da Checoslováquia foi forçado a declarar a lei marcial na região. Após essa decisão, Hitler começou a exigir que os Sudetos fossem imediatamente entregues à Alemanha.

Esforços diplomáticos

Com o crescimento da crise, um temor de guerra espalhou-se pela Europa, levando a Grã-Bretanha e a França a se interessarem ativamente pela situação, pois ambas as nações estavam ansiosas para evitar uma guerra para a qual não estavam preparadas.

Como tal, o governo francês seguiu o caminho estabelecido pelo primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain, que acreditava que as queixas dos alemães dos Sudetos tinham mérito. Chamberlain também achava que as intenções mais amplas de Hitler eram limitadas no escopo e poderiam ser contidas.

Em maio, a França e a Grã-Bretanha recomendaram ao presidente da Tchecoslováquia, Edvard Beneš, que cedesse às exigências da Alemanha. Resistindo a esse conselho, Benes ordenou uma mobilização parcial do exército.

Como as tensões cresceram durante o verão, Beneš aceitou um mediador britânico, Lord Runciman, no início de agosto. Reunindo-se com os dois lados, Runciman e sua equipe conseguiram convencer Beneš a conceder a autonomia aos alemães sudetos. Apesar deste avanço, o SdP estava sob ordens estritas da Alemanha para não aceitar acordos de compromisso.

Chamberlain Passos Em

Numa tentativa de acalmar a situação, Chamberlain enviou um telegrama a Hitler solicitando uma reunião com o objetivo de encontrar uma solução pacífica. Viajando para Berchtesgaden em 15 de setembro, Chamberlain se encontrou com o líder alemão.

Controlando a conversa, Hitler lamentou a perseguição da Checoslováquia aos alemães dos Sudetos e corajosamente pediu que a região fosse entregue. Incapaz de fazer tal concessão, Chamberlain partiu, afirmando que ele teria que consultar o Gabinete em Londres e pediu que Hitler se abstivesse de ação militar nesse meio tempo.

Embora ele concordasse, Hitler continuou o planejamento militar. Como parte disso, os governos polonês e húngaro receberam uma oferta da Tchecoslováquia em troca de permissão para os alemães tomarem os Sudetos.

Reunido com o Gabinete, Chamberlain foi autorizado a conceder os Sudetos e recebeu apoio dos franceses para tal medida. Em 19 de setembro de 1938, os embaixadores britânico e francês se reuniram com o governo da Checoslováquia e recomendaram a cessão das áreas dos Sudetos onde os alemães formavam mais de 50% da população.

Largamente abandonado pelos seus aliados, os checoslovacos foram forçados a concordar. Tendo garantido esta concessão, Chamberlain retornou à Alemanha em 22 de setembro e se encontrou com Hitler em Bad Godesberg. Otimista que uma solução tivesse sido alcançada, Chamberlain ficou chocado quando Hitler fez novas exigências.

Não satisfeito com a solução anglo-francesa, Hitler exigiu que as tropas alemãs fossem autorizadas a ocupar a totalidade dos Sudetos, que os não-alemães fossem expulsos e que a Polônia e a Hungria recebessem concessões territoriais.

Depois de declarar que tais demandas eram inaceitáveis, Chamberlain foi informado de que os termos seriam cumpridos ou uma ação militar resultaria.

Tendo arriscado sua carreira e prestígio britânico no negócio, Chamberlain foi esmagado quando voltou para casa. Em resposta ao ultimato alemão, tanto a Grã-Bretanha quanto a França começaram a mobilizar suas forças.

A Conferência de Munique

Embora Hitler estivesse disposto a arriscar a guerra, ele logo descobriu que o povo alemão não estava. Como resultado, ele se afastou e enviou a Chamberlain uma carta garantindo a segurança da Tchecoslováquia se os Sudetos fossem cedidos à Alemanha.

Ansioso por evitar a guerra, Chamberlain respondeu que estava disposto a continuar as negociações e pediu ao líder italiano Benito Mussolini que ajudasse a persuadir Hitler.

Em resposta, Mussolini propôs uma cúpula de quatro poderes entre Alemanha, Grã-Bretanha, França e Itália para discutir a situação. Os checoslovacos não foram convidados a participar.

Reunindo-se em Munique em 29 de setembro, Chamberlain, Hitler e Mussolini se juntaram ao primeiro-ministro francês, Édouard Daladier. As conversas progrediram ao longo do dia e da noite, com uma delegação tchecoslovaca forçada a esperar do lado de fora.

Nas negociações, Mussolini apresentou um plano que exigia que os Sudetos fossem cedidos à Alemanha em troca de garantias de que marcaria o fim da expansão territorial alemã.

Embora apresentado pelo líder italiano, o plano foi produzido pelo governo alemão e seus termos eram similares ao último ultimato de Hitler.

Desejando evitar a guerra, Chamberlain e Daladier estavam dispostos a concordar com esse “plano italiano”. Como resultado, o Acordo de Munique foi assinado pouco depois da 1h de 30 de setembro.

Isso exigiu que as tropas alemãs entrassem na região dos Sudetos em 1º de outubro, com o movimento sendo concluído em 10 de outubro. Por volta de 1:30 da manhã, o Tchecoslovaco A delegação foi informada dos termos por Chamberlain e Daladier.

Apesar de inicialmente não estarem dispostos a concordar, os checoslovacos foram obrigados a submeter-se quando informados de que, caso ocorresse uma guerra, seriam responsabilizados.

Rescaldo

Como resultado do acordo, as forças alemãs cruzaram a fronteira em 1º de outubro e foram calorosamente recebidas pelos alemães dos Sudetos enquanto muitos tchecoslovacos fugiram da região.

Retornando a Londres, Chamberlain proclamou que havia conseguido “paz para o nosso tempo”. Enquanto muitos no governo britânico ficaram satisfeitos com o resultado, outros não o foram.

Comentando a reunião, Winston Churchill proclamou o Acordo de Munique como “uma derrota total e absoluta”. Tendo acreditado que ele teria que lutar para reivindicar a região dos Sudetos, Hitler ficou surpreso ao ver que os antigos aliados da Tchecoslováquia prontamente abandonaram o país para apaziguá-lo.

Chegando rapidamente a ter desprezo pelo medo da guerra da Grã-Bretanha e da França, Hitler encorajou a Polônia e a Hungria a tomar parte da Tchecoslováquia.

Indiferente às retaliações das nações ocidentais, Hitler tomou o resto da Tchecoslováquia em março de 1939. Não houve resposta significativa da Grã-Bretanha ou da França.

Preocupados com o fato de a Polônia ser o próximo alvo de expansão da Alemanha, as duas nações se comprometeram a garantir a independência da Polônia.

Indo além, a Grã-Bretanha concluiu uma aliança militar anglo-polonesa em 25 de agosto. Isso foi rapidamente ativado quando a Alemanha invadiu a Polônia em 1º de setembro, iniciando a Segunda Guerra Mundial.

 

Classifique este post
[Total: 0 Average: 0]

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x