A Guerra Fria na Europa – A luta definitiva entre capitalismo e comunismo

A Guerra Fria foi um conflito do século XX entre os Estados Unidos da América, a União Soviética (URSS) e seus respectivos aliados sobre questões políticas, econômicas e militares, muitas vezes descritas como uma luta entre capitalismo e comunismo – mas as questões eram, na verdade, muito mais cinzentas do que isso.

Na Europa, isso significava o Ocidente liderado pelos EUA e a OTAN de um lado e o Leste liderado pelos soviéticos e o Pacto de Varsóvia do outro. A Guerra Fria durou de 1945 até o colapso da URSS em 1991.

Por que a guerra “fria”?

A guerra foi “fria” porque nunca houve um engajamento militar direto entre os dois líderes, os EUA e a URSS, apesar de tiros terem sido trocados no ar durante a Guerra da Coréia.

Houve muitas guerras por procuração em todo o mundo, enquanto Estados apoiados por ambos os lados lutavam, mas em termos dos dois líderes, e em termos da Europa, os dois nunca travaram uma guerra regular.

Origens da Guerra Fria na Europa

As conseqüências da Segunda Guerra Mundial deixaram os Estados Unidos e a Rússia como as potências militares dominantes no mundo, mas tinham formas muito diferentes de governo e economia – a primeira era uma democracia capitalista, a segunda, uma ditadura comunista.

As duas nações eram rivais que se temiam, cada uma ideologicamente oposta. A guerra também deixou a Rússia no controle de grandes áreas da Europa Oriental, e os aliados liderados pelos EUA no controle do Ocidente.

Enquanto os Aliados restauravam a democracia em suas regiões, a Rússia começou a fazer satélites soviéticos de suas terras “liberadas”; a divisão entre os dois foi apelidada de Cortina de Ferro. Na realidade, não houve libertação, apenas uma nova conquista pela URSS.

O Ocidente temia uma invasão comunista, física e ideológica, que os transformasse em estados comunistas com um líder ao estilo de Stalin – a pior opção possível – e, para muitos, causou também um medo sobre o socialismo dominante.

Os EUA contra-atacaram com a Doutrina Truman, com sua política de contenção para impedir a disseminação do comunismo – também transformaram o mundo em um mapa gigante de aliados e inimigos, com os EUA prometendo impedir que os comunistas estendessem seu poder, um processo que levou a o Ocidente apoiando alguns regimes terríveis – e o Plano Marshall, ajuda maciça destinada a apoiar as economias em colapso que estavam deixando os simpatizantes comunistas ganharem poder.

Formaram-se alianças militares enquanto o Ocidente se agrupava como OTAN, e o Oriente se unia como o Pacto de Varsóvia. Em 1951, a Europa foi dividida em dois blocos de poder, liderados pelos Estados Unidos e liderados pelos soviéticos, cada um com armas atômicas. Uma guerra fria se seguiu, espalhando-se globalmente e levando a um impasse nuclear.

O bloqueio de Berlim

A primeira vez que os antigos aliados agiram como certos inimigos foi o bloqueio de Berlim. A Alemanha do pós-guerra foi dividida em quatro partes e ocupada pelos antigos aliados; Berlim, situada na zona soviética, também foi dividida.

Em 1948, Stalin forçou um bloqueio de Berlim visando blefar os Aliados a renegociar a divisão da Alemanha a seu favor em vez de invadir. Os suprimentos não conseguiam chegar a uma cidade, que dependia deles, e o inverno era um problema sério.

Os Aliados responderam com nenhuma das opções que Stalin achava que estava dando a eles, mas iniciaram o transporte aéreo de Berlim: durante 11 meses, suprimentos foram levados para Berlim via aviões aliados, blefando que Stalin não os derrubaria e causaria uma guerra “quente”. . Ele não fez isso. O bloqueio terminou em maio de 1949, quando Stalin desistiu.

Budapeste subindo

Stalin morreu em 1953 e as esperanças de um degelo foram levantadas quando o novo líder Nikita Khrushchev iniciou um processo de desestalinização. Em maio de 1955, além de formar o Pacto de Varsóvia, ele assinou um acordo com os Aliados para deixar a Áustria e torná-la neutra.

O degelo só durou até o Levantamento de Budapeste em 1956: o governo comunista da Hungria, confrontado com pedidos internos de reforma, desmoronou e uma revolta forçou as tropas a deixarem Budapeste.

A resposta russa foi fazer o Exército Vermelho ocupar a cidade e colocar um novo governo no comando. O Ocidente era altamente crítico, mas, em parte distraído pela Crise de Suez, não fez nada para ajudar, exceto ficar mais gelado em relação aos soviéticos.

A crise de Berlim e o incidente V-2

Temendo uma Alemanha Ocidental renascida aliada aos EUA, Khrushchev ofereceu concessões em troca de uma Alemanha neutra e unificada em 1958. Uma reunião de cúpula em Paris foi interrompida quando a Rússia abateu um avião espião U-2 sobrevoando seu território.

Khrushchev retirou-se das negociações de cúpula e desarmamento. O incidente foi útil para Khrushchev, que estava sob pressão de radicais da Rússia por doar demais.

Sob pressão do líder da Alemanha Oriental para impedir que os refugiados fugissem para o Ocidente, e sem nenhum progresso em tornar a Alemanha neutra, o Muro de Berlim foi construído, uma barreira completa entre Berlim Oriental e Ocidental. Tornou-se a representação física da Guerra Fria.

Guerra Fria na Europa nos anos 60 e 70

Apesar das tensões e do temor da guerra nuclear, a divisão da Guerra Fria entre Oriente e Ocidente se mostrou surpreendentemente estável após 1961, apesar do antiamericanismo francês e da Rússia esmagarem a Primavera de Praga.

Em vez disso, havia conflito no cenário global, com a Crise dos Mísseis de Cuba e o Vietnã. Durante grande parte dos anos 60 e 70, seguiu-se um programa de détente: uma longa série de conversas que fizeram algum sucesso na estabilização da guerra e na equalização do número de armas.

A Alemanha negociou com o Oriente sob uma política de Ostpolitik. O medo da destruição mutuamente assegurada ajudou a evitar o conflito direto – a crença de que, se você lançasse seus mísseis, seria destruído por seus inimigos, e era melhor não atirar do que destruir tudo.

Os anos 80 e a nova guerra fria

Na década de 1980, a Rússia parecia estar ganhando, com uma economia mais produtiva, mísseis melhores e uma marinha em crescimento, embora o sistema fosse corrupto e construído sobre propaganda.

A América, mais uma vez temendo o domínio russo, mudou-se para rearmar e construir forças, incluindo a colocação de muitos novos mísseis na Europa (não sem oposição local).

O presidente dos EUA, Ronald Reagan, aumentou consideravelmente os gastos com a defesa, iniciando a Iniciativa de Defesa Estratégica para defender-se de ataques nucleares, um fim à Destruição Mútua Assegurada. Ao mesmo tempo, as forças russas entraram no Afeganistão, uma guerra que acabariam perdendo.

Fim da Guerra Fria na Europa

O líder soviético Leonid Brezhnev morreu em 1982, e seu sucessor, percebendo que a mudança era necessária em uma Rússia em ruínas e seus satélites tensos, que eles sentiam estar perdendo uma renovada corrida armamentista, promoveram vários reformadores.

Um deles, Mikhail Gorbachev, subiu ao poder em 1985 com as políticas da Glasnost e da Perestroika e decidiu acabar com a guerra fria e “doar” o império dos satélites para salvar a própria Rússia.

Após concordar com os EUA para reduzir as armas nucleares, em 1988 ele se dirigiu à ONU, explicando o fim da Guerra Fria renunciando à Doutrina Brezhnev, permitindo a escolha política nos estados satélites da Europa Oriental, e tirando a Rússia da a corrida armamentista.

A velocidade das ações de Gorbachev perturbou o Ocidente e havia temores de violência, especialmente na Alemanha Oriental, onde os líderes falavam de sua própria revolta do tipo Praça da Paz Celestial.

Contudo, a Polónia negociou eleições livres, a Hungria abriu as suas fronteiras e o líder da Alemanha Oriental, Honecker, demitiu-se quando se tornou evidente que os soviéticos não o apoiariam.

A liderança da Alemanha Oriental desapareceu e o Muro de Berlim caiu dez dias depois. A Romênia derrubou seu ditador e os satélites soviéticos emergiram de trás da Cortina de Ferro.

A própria União Soviética foi a próxima a cair. Em 1991, comunistas de linha dura tentaram um golpe contra Gorbachev; eles foram derrotados e Boris Yeltsin se tornou líder.

Ele dissolveu a URSS, criando a Federação Russa. A era comunista, iniciada em 1917, terminara agora, e também a Guerra Fria.

Conclusão

Alguns livros, embora enfatizando o confronto nuclear que chegou perigosamente perto de destruir vastas áreas do mundo, apontam que esta ameaça nuclear foi mais ativamente desencadeada em áreas fora da Europa, e que o continente, de fato, desfrutou de 50 anos de paz e estabilidade., que faltavam na primeira metade do século XX.

Esta visão é provavelmente melhor equilibrada pelo fato de que grande parte da Europa Oriental foi, de fato, subjugada por todo o período pela Rússia Soviética.

Os desembarques do Dia D Embora muitas vezes exageradas em sua importância para a derrocada da Alemanha nazista, foram, em muitos aspectos, a principal batalha da Guerra Fria na Europa, permitindo que as forças aliadas libertassem grande parte da Europa Ocidental antes que as forças soviéticas chegassem lá.

O conflito foi frequentemente descrito como um substituto para um acordo final de paz pós-Segunda Guerra Mundial que nunca aconteceu, e a Guerra Fria permeava profundamente a vida no Oriente e no Ocidente, afetando a cultura e a sociedade, bem como a política e os militares.

A Guerra Fria também tem sido frequentemente descrita como uma disputa entre democracia e comunismo, enquanto, na realidade, a situação era mais complicada, com o lado “democrático”, liderado pelos EUA, apoiando alguns regimes claramente não-democráticos, brutalmente autoritários, a fim de manter países de entrar sob a esfera de influência soviética.






Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *